ENGAJAMENTO MASCULINO NOS CUIDADOS DE SAÚDE

Gratís

Categorias:Miscellaneous
Acesso ilimitado

Sobre este curso

Chave de inscrição: Teles@123

Varios estudos mostram que os homens têm menos
acesso aos serviços de aconselhamento e testagem para HIV (Cornell et al,
2011), e têm a tendência a procurar cuidados de saúde nos estágios mais
avançados da doença e com piores prognósticos o que pode gerar alto custo para
o Sistema Nacional de Saúde. A falta de acesso a testagem e ao tratamento, o
estigma, a falta de conhecimento em relação ao HIV/SIDA, as barreiras legais e
políticas dificultam a prevenção do HIV e o TARV, principalmente em
adolescentes rapazes e nas populações-chave (CNCS, 2015). Para além disso,
quando os homens iniciam o TARV tem taxas de adesão aos cuidados e tratamento
muito baixas, o que resulta em alta taxa de morbimortalidade por HIV após o
inicio do tratamento (Stringer et al, 2006). De uma forma geral, em Moçambique
a cobertura de TARV no ano 2017 entre homens com 15 anos ou mais foi de 42%, em
comparação com 63% entre as mulheres (Dados do PNC ITS-HIV/SIDA-2017). Há
necessidade de focar-se nas estratégias que aumentem o diagnóstico e acesso dos
homens aos cuidados e tratamento de HIV[1].

 

Neste contexto o presente curso visa orientar os
clínicos (médicos, técnicos de medicina, enfermeiros) e outros trabalhadores de
saúde e gestores, a implementarem actividades de engajamento masculino nos
cuidados de saúde com o objectivo de melhorar a utilização e a retenção de
homens e casais nos cuidados de saúde.



[1] MISAU/ DNSP/ PNC ITS/HIV e SIDA;
Directriz para Engajamento do Homen nos Cuidados de Saúde. 2018