Telessaude MZ

ESTUDOS SOBRE TRATAMENTO DO HIV PARA CRIANÇAS E JOVENS

Janeiro 10, 2019

 

Melhoria da função hepática, mas dano da função renal progressivo, entre crianças em terapia antirretroviral na Etiópia.

Os resultados de um estudo longitudinal prospectivo multicêntrico, realizado pela Ethiopian Pediatric HIV Cohort (EPHIC) e publicado em HIV Medicine, mostram que entre as crianças HIV-positivas com anormalidades hepáticas e renais, as anormalidades das enzimas hepáticas melhoraram, enquanto a função renal se deteriorou progressivamente quanto mais tempo as crianças estavam recebendo a terapia antirretroviral (TARV). Com excepção da nevirapina, o regime específico de TARV não teve um efeito significativo nas alterações das enzimas hepáticas ou na função renal.

Contextualização

Tanto a infecção pelo HIV quanto as drogas antirretrovirais afetam o fígado e os rins. No entanto, os mecanismos precisos de toxicidade hepática induzida por drogas ou doença e dano da função renal em crianças infectadas pelo HIV são pouco compreendidos. Entre as crianças em TARV, a toxicidade hepática é o evento adverso mais comum, com aproximadamente uma em cada cinco crianças recebendo antirretrovirais.

Existe uma escassez de literatura sobre os efeitos a médio e longo prazo do TARV em crianças da África Subsaariana e da Ásia. As opções limitadas de tratamento pediátrico ressaltam a necessidade crítica de um melhor entendimento dos efeitos adversos dos antirretrovirais.

Objectivos

Os autores realizaram um estudo para examinar a prevalência de anormalidades renais e hepáticas e o padrão de mudanças ao longo do tempo entre crianças HIV-positivas.

Metodologia

Em 2015 e 2016, crianças com menos de 18 anos de idade, em TARV de primeira linha foram inscritas no coorte em seis centros de HIV / AIDS estabelecidos em toda a Etiópia.

Analises laboratoriais como, enzimas hepáticas (aspartato aminotransferase (AST) e alanina aminotransferase (ALT), função renal (creatinina e nitrogénio da ureia sanguínea – BUN), hemograma completo, imunologia (contagem e percentagem de CD4) e carga viral foram avaliados no momento da inclusão e acompanhamento a cada seis meses durante 18 meses.

A fibrose hepática e a cirrose foram avaliadas utilizando marcadores não invasivos compreendendo AST para o escore da razão plaquetária (APRI) e escore de fibrose (FIB-4).

Um total de 705 das crianças (90%) inscritas tiveram pelo menos uma medida para testes de função renal e hepática ao longo do seguimento prospectivo de 18 meses, enquanto 450 crianças tiveram todos os quatro testes.

A idade mediana foi de 12 anos e pouco mais da metade era do sexo masculino. A mediana do tempo de TARV foi de 3,3 anos. No momento da inscrição, um quarto das crianças apresentou resultados elevados nos testes de enzimas hepáticas e 10% com um índice APRI> 0,5 sugerindo fibrose hepática.

Não houve associação estatisticamente significativa com a função renal ou anormalidades de enzimas hepáticas entre crianças co-infectadas com hepatite C ou hepatite B.

Em cada período de acompanhamento de seis meses, a AST e a ALT diminuíram 1,4 (IC 95%: 0,4-2,5) UI / L, p = 0,01 e 1,4 (IC 95%: 0,2-2,6) UI / L, p = 0,01, respectivamente.

No entanto, os regimes baseados em efavirenz mostraram uma melhoria maior da ALT em comparação com regimes baseados em nevirapina. O risco aumentado de lesão hepática em regimes baseados em nevirapina em comparação com aqueles que contêm efavirenz está bem documentado.

No início do estudo, níveis elevados de creatinina e nitrogênio ureico no sangue, indicativos de disfunção renal, estavam presentes em 24 (3,4%) e 84 (12,1%) crianças, respectivamente.

A taxa de filtração globular foi usada como um substituto para a clearance de creatinina, pois o valor de creatinina é afetado pela idade e peso corporal. Uma baixa taxa de filtração globular sugere disfunção renal. Em cada período de acompanhamento de seis meses, a mediana do nitrogênio ureico no sangue aumentou em 1,6 (95% CI: 0,4-2,7) mg / dL, p = 0,01 e a taxa de filtração globular diminuiu em 35,6 (IC95%: 17,7-53,4 ) mL / min / 1,73 m2.

Conclusões

Estes resultados, segundo os autores, destacam um aspecto importante da optimização do tratamento para crianças HIV-positivas, nomeadamente a segurança do TARV. A compreensão dos perfis de segurança é fundamental, pois os eventos adversos podem afetar não apenas a adesão, mas também a falência de órgãos, aumento de mortes e doenças e menor qualidade de vida.

Os regimes baseados em tenofovir foram previamente associados a anomalias da função renal e doença. Neste estudo, as crianças em um regime baseado em tenofovir tiveram menores taxas de filtração globular em comparação com outros regimes, mas a diferença não foi estatisticamente significativa.

Os autores observam que enquanto diminuições em AST e ALT após o início de TARV podem significar estabilização do dano hepático, elas também podem significar uma deterioração que leva à doença hepática terminal. Mais testes, acrescentam, incluindo ultra-som ajudaria a descartar o último.

A alta prevalência de crianças com sinais de lesão hepática no momento da inclusão é consistente com outros estudos. Embora a diminuição das alterações das enzimas hepáticas ao longo do tempo seja possivelmente encorajadora, a deterioração da função renal é preocupante. Esses achados, observam os autores, enfatizam a necessidade de monitoramento regular.

Referência

Tadesse BT et al. Toxicidade hepática e renal e factores associados em crianças soropositivas para terapia antiretroviral: um estudo prospectivo de coorte. HIV Medicine, doi: 10.1111 / hiv.12693, 2018.

Telessaude MZ

Partilhar esse Artigo

Deixe o primeiro comentário

Artigos Relacionados

Lista de Artigos medicos que lhe ajudaram a fazer um diagnostico rapido.

  • Cólera: Medidas de Prevenção

    A cólera é uma doença diarreica aguda causada pela enterotoxina do Vibrio cholerae, através da ingestão de alimentos ou água contaminados pela bactéria Vibrio cholerae. Apenas dois sorogrupos (existem cerca de 190) dessa bactéria são…

  • CARGA VIRAL INDETECTAVEL E TRATAMENTO COMO PREVENÇÃO

      Duas apresentações na conferência da Associação Británica de HIV (BHIVA) deste mês em Bournemouth (Inglaterra) mostram que a maioria dos profissionais de saúde agora está informando às pessoas com HIV que se a carga…

  • Gripe sazonal

    Gripe (Sazonal) A gripe sazonal é uma infecção viral aguda. Os vírus da influenza circulam em todo o mundo. Patógeno Existem quatro tipos de vírus da gripe sazonal: A, B, C e D. As causas…